Busca Artigos:

Leitura Recomendada

Menu

Integralismo Linear Academia Integralista Flor de Liz Linear Flor de Liz Integral

« Voltar

O Espírito da Burguesia

14/10/2009

Retirado do Livro "Espírito da Burguesia" de Pínio Salgado

Ja temos dito muitas vezes e não nos cansaremos de repetir: a burguesia não é uma classe, é um estado de espírito. É próprio espírito da avareza e da sensualidade, que se manifesta de formas tão variadas e por vezes tão sutis, que há muitos casos que alguem, jugando estar combatendo os espírito burgues, não faz mais que avolumá-lo na sua própria alma.

Numeroso são os que estudaram a burguesia sob o aspecto das condições economicas e sua consequencias políticas e sociais. Poucos os que penetraram nesse espírito que não é inerente, de modo exclusivo, à classe dominate em nossos dias, porém se infiltra em todas as classes, sob os aspectos mais contraditórios, refletindo uma concepção de vida em completo desacordo com os fins sobretanurais do homem.

O espírito da burguesia vive em todas as classes. Está na classe média, tão forte, como nos circulos sociais dos ricos, está na propria alma do proletariado quando se deixa penetrar pelos argumentos materialistas, que embasam a vida humana em nossos dias.

A esse espírito chamamos hoje de "burguesismo", pelo fato de ser a burguesia quem comanda os rumos disso a que temos convencionado chamar de "civilização". Mas ele ja dominou em outras épocas através de outras formas, agrupamentos ou expressões sociais divergentes. Viveu na Antiguidade Oriental, como viveu na Roma dos Césares ou nos dias brilhantes da Renascença. Aos que o encarnaram referiu-se o Evagelho apelidando-os servidores de Mamon e o paganismo conheceu-os pelo nome epicuristas.

É a preocupação exclusiva pelos bens materiais, os quais devendo constituir um "meio" pelo qual a criatura humana deve atingir aos seus fins verdadeiros, torna-se um "fim" em si mesmos com exclusão de toda a finalidade superior. É a transmutação dos cinco sentidos, que são também "meios" de domínio e compreensão do mundo exterior facultados ao ser humano e instrumentos de comunicação e de experiência de que dispõe o homem para formar juizos exatos e determinar os limites e as formas de suas ações na vida social, em "fins" exclusivos de todas as manifestações e realizações do ser.

O espírito, pois, que domina o nosso tempo, e que temos habituado a designar pelo nome de "espírito burgues", pode ser definido como um processo psicologico mediante o qual os "meios" se transformam em "fins" e os "fins" se transformam em "meios.

Dele se origina todo o desentendimento entre os homens, todos os dramas de lágrimas, de sangue, de desesperos que assinalam as epocas tormentosas em que imperam o egoismo feroz e a sede de prazeres.

Sentindo abalados os alicerces que servem de base à construção social em que vive, a burguesia se agita temerosa de perder os seus bens e declara guerra ao comunismo, que se levanta em todos os paises, desfraldando a bandeira da luta de classes.

Para tomarmos posição em face dessa luta, hoje tão evidente no âmbito nacional e internacional dos povos, cumpre-nos apreciar, com serenidade e justiça, a índole dos dois contendores e tirar desse exame as conclusões sobre o verdadeiro mal que é hoje causa das desgraças humanas e dos conflitos cada vez mais agudos que arrastam as nações para o abismo de tenebrosa catástrofe.

É o comunismo o mal do nosso século [século XX]? Como adversário leal e franco da doutrina marxista, ouso dizer que o comunismo não é o mal do século, porque antes dele existe um outro mal de que ele se origina. Esse mal é o espírito burguês.

Se desejamos combater o comunismo, que se ergue contra a sociedade burguesa, a nossa primeira atitude será a de combate contra a concepção de vida da burguesia, a qual, por ser injusta e cruel, gera revoltas por ela mesma semeadas com os princípios materialistas, ostensivos ou latentes, dos usufruturários dos bens terrenos de nosso tempo.

Essa vida de gozo, de ostentação, de comodismo, que é o espetáculo oferecido pelos ricos, pelos poderosos granfinos de uma sociedade corrupta, representa uma proclamação diária, em face dos pobres e dos humildes, afirmando que o único fim deste mundo reside na satisfação plena dos desejos da carne.

Tão eloquente manifesto repercute pelos quadrantes do mundo e desperta nas massas o mesmo sentimento que se traduz nos mesmos conceitos de finalidade. Então, mais nobres e generosos do que aqueles que se servem da doutrina espiritualista como alicerce de uma construção materialista, surguem os líderes do comunismo dizendo: "substituamos esse alicerce religioso por uma base antireligiosa, porque assim haverá coerência e sinceridade, equilibrio e justiça".

É a lógica da antiverdade, à qual não se pode negar o valor de um racioncinio perfeito. Não podremos dizer o mesmo do sofisma que se lhe antepõe, porquanto mais digno é deduzir o erro do erro do que deduzir da verdade o erro que, justamente pelo fato de surpreender as consciências iluminadas pelo sentido da justiça, provoca irritações e cóleras de quantos se sentem enganados.

O materialismo do nosso tempo não proveio das classes trabalhadoras, a sua origem é burguesa. Sustentado pelos filósofos e pelas mentalidades unilateralistas sob o império do experimentalismo cientifico, o materialismo é doutrina que apareceu como justificativa de livre expressão do homem, nos atos de conquista e de gozo dos bens terrenos. Pois esse gozo não poderia ultrapassar os limites impostos pela moral, se preliminarmente não tivesse sifo banida das cogitações humanas a crença num Deus, no fim útimo e supremo do homem

.

Só ha, por conseguinte, um meio de combater o comunismo: é combater o espírito burguês.

A Palavra do Chefe
A Palavra de Gustavo Barroso
A Palavra de Miguel Reale
A Palavra do Integralismo
A Palavra do Integralismo Linear
Anil Loja Virtual TV Editora Linear

MIL-B (2008) - Desenvolvimento: MILB - Todos os direitos reservados | Versão 1.0
xhtml1.1css